immigrants from Zimbabwe accuse ill-treatment

Crossing the border for petty-business, these migrants / visitors accuse local Mozambican authorities of mistreatment and ill-conduct. Irregular imprisonments and sexual harassment are among the most common accusations.

Angola Press, 04/19/06

Moçambique: Visitantes zimbabweanos queixam-se de intimidações da polícia e cidadãos

Harare, 19/04 – Visitantes do Zimbabwe` em Moçambique queixam-se de intimidações frequentes por parte da polícia e de cidadãos moçambicanos, o que levou a ZANU-PF, partido do presidente Robert Mugabe, a exigir "medidas urgentes" para acabar com a situação.

Muitos desses visitantes são funcionários púbicos e professores empobrecidos pelas forte crise económica no Zimbabwe`, onde a inflação atinge valores na ordem dos 1.000 por cento, que tentam fazer pequenos negócios nas províncias fronteiriças moçambicanas.

Após atravessarem a fronteira nas províncias de Manica e Tete, os visitantes vendem produtos como açcar, óleo, farinha e azeite, tidos como de melhor qualidade do que os produzidos em Moçambique.

Num seminário realizado em Mutare, na província zimbabweana de Manicaland, no qual participaram deputados e senadores da ZANU-PF, foram proferidas críticas contra a polícia moçambicana, acusada de prender indiscriminadamente.

Alguns dos participantes na reunião queixaram-se de que a polícia moçambicana exige dinheiro ou favores sexuais, no caso de mulheres que atravessam a fronteira entre os dois países.

"Já não posso mais, fui tratada como se não fosse um ser humano", disse uma das alegadas vítimas, Angeline Makande, numa acusação secundada por outros participantes no encontro.

"O que ` mais surpreendente é que a polícia em Moçambique nos trata como se não tivéssemos direitos nenhuns", acrescentou Christopher Muntyama, outro empresário informal.

Fontes do consulado moçambicano em Mutare negaram as acusações, tendo referido que, pelo contrário, foram recebidas queixas contra a "concorrência desleal" representada pelos zimbabweanos.

"Não podemos deixar que vendedores atravessem a fronteira para inundar os nossos mercados com produtos do Zimbabwe`, por que isso ir afectar as nossas empresas", disse um funcionário do consulado moçambicano, citado pelo jornal Standard, de Harare.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: